O dicionário vivo

A definição não é do Aurélio – o mais-mais da minha época – mas serve:

a.ban.do.nomasculino [Datação: 1772]

  1. ato de abandonar
  2. desamparo total
  3. renúncia
  4. desprezo
  5. desleixo

Lia é uma menina muito inteligente. Ela aprende novas palavras a cada dia e as utiliza de forma adequada na primeira oportunidade que se apresenta. Hoje foi um desses dias que me senti uma mãe atenta e presente, o que não sou sempre.

Logo cedo, brincando com suas bonecas enquanto eu checava os e-mails, ouvi quando a filha da Barbie disse:

– Oh não! Fiquei perdida e agora minha mãe me abandonou e adotou outra filha!

Lia então levou a pequena Barbie para perto da mãe Barbie que agora tinha uma Polly como filha. Não deu para ouvir o resto da conversa, mas ficou tudo bem e logo a pequena Barbie e a Polly eram irmãs queridas.

No segundo episódio do dia, a filha mais problemática da Lia, estava com a perna machucada. Lindinha é uma boneca que fala, que ja está bem velha, cabelo embaraçado, e há muito tempo já não tem roupa. Lia sempre fala de como a Lindinha se comporta mal: ela bate, responde, não obedece, não come… Lindinha é o cão!

Mas desta vez ela foi a vítima.. Lia me disse que o primo da Lindinha o machucou. Ela disse também que era um menino muuuuito mal criado:

– Ele bate na mãe, ele morde, ele faz muita mal criação! E ele bateu na lindinha aqui na perna ó.

E continua:

– Ele é tão mal criado que a mãe dele ficou cansada e abandonou ele!

Tivemos um dia cheio… mas no finalzinho da tarde com a Nina (2 meses) alimentada e dormindo em berço esplêndido eu e Lia ficamos brincando na sala até que eu puxei o assunto:

– Sabe filha, você me contou que a mãe do primo da Lindinha o abandonou porque ele era muito mal-criado. Mas eu queria te dizer que não é isso que os pais fazem, quando uma criança se comporta mal eles educam, não abandonam. Eu nunca vou te abandonar.

– Mas se eu me comportar muuuuito mal, você pode até me abandonar, né?

– Não… se você fizer mal-criação eu te coloco de castigo, e continuo te amando. Se você pular no sofá, eu brigo com você, e continuo te amando. Se você bater em alguém… castigo de novo. Mas nunca vou te abandonar, porque você é minha filha e eu te amo, porque eu iria te abandonar?

– Mas e se você se esquecer de mim? Ai você me abandona, né?- E fez uma carinha que misturava coragem e medo de ouvir a resposta…

– Como eu poderia esquecer de você?

– Brincando só com a Nina, o tempo todo.

– Ahhh… mas isso não acontece, porque eu tenho um tempo que é só para você, tem coisas que só você sabe fazer e eu adoro ficar com você, sozinha… como estamos agora. Ela riu e me abraçou forte.

Às vezes a gente tem que ir além do discurso… na verdade com as crianças, precisamos fazer isso o tempo todo.

#aprendendocomosfilhos

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s