As coisas que não sei de onde vêm…

Concordo com Jung quando ele diz que estamos todos ligados a uma fonte de saber inesgotável, coletiva que alimenta nossa alma para muito além do nosso entendimento.
Hoje, uma frase me veio à mente, lembro da primeira vez que a escutei, na sala sala escura da casa da minha mãe, em Paripe. Lembro de como me senti… Uma vontade tão grande de chorar, e uma conexão imensa com alguém que nunca vi, e não sabia quem era.
A frase era “sunshine on my shoulders”. Naquela época não sabia o que significava, mas a melodia e as palavras ficaram gravadas em mim… Até que hoje com o advento da internet e com o milagroso Google, busquei a frase entre aspas e o primeiro resultado é da música, com vídeo e letra.

Ainda me emociono ou escutá-la, e me surpreendo que a emoção não difere em nada do que senti a primeira vez, quando não entendia nada do que a letra dizia…

Muitas vezes me sinto assim: uma vítima da música. Ela me apreende inteira, conquista rincões escondidos da minha alma, me revela.. E eu, não consigo arranhar um dó que seja.

Ainda que a música não seja minha… Acredito que serei sempre dela.

***

Sunshine On My Shoulders
John Denver
Sunshine on my shoulders – makes me happy
sunshine in my eyes – can make me cry
sunshine on the water – looks so lovely
sunshine almost always – makes me high
if i had a day that i could give you
i’d give to you a day just like today
if i had a song that i could sing for you
i’d sing a song to make you feel this way
sunshine on my shoulders – makes me happy
sunshine in my eyes – can make me cry
sunshine on the water – looks so lovely
sunshine almost always – makes me high
if i had a tale that i could tell you
i’d tell a tale sure to make you smile
if i had a wish that i could wish for you
i’d make a wish for sunshine all the while
sunshine on my shoulders – makes me happy
sunshine in my eyes – can make me cry
sunshine on the water – looks so lovely
sunshine almost always – makes me high
sunshine almost all the times makes me high
sunshine almost always