Já vi demais

Estou no Brasil, em 2013. Todos os dias fico um pouco mais cansada das noticias que mostram tudo de pior que o mundo tem. Tempero com esperança, tempero com amor, tempero com crença e vou em frente.

O preço do transporte está pela hora da morte. A gente se acostuma a dizer isso enquanto tira do bolso os três reais para pagar e seguimos, eu sigo, acreditando que vivo em um país onde tenho o direito de dizer o que penso.

Mas hoje vi que não. Eu que defendo a não violência como base para qualquer RELAÇÃO, qualquer, me choco ao ver a violência institucionalizada, fardada, legalizada sendo usada contra meu vizinho, meu amigo, meu colega, eu. Sim, porque aquelas pessoas que estão lá na Paulista, são iguaizinhas a mim: sentem dor, comem, bebem… São mãe, ou pai, ou filha, ou irmã. São gente.

O uso da violência é em última instância um sinal claro da falta de tato, de inteligência, de humanidade no trato das relações humanas. E me assusta, ainda mais, quando isso acontece no centro do mundo diante dos perplexos olhos de cada um de nós.

O que fica no final de tudo é uma tristeza, raiva,  indignação muito grande ao ver um aparato destes sendo usado não para proteger pessoas, mas para proteger interesses, para proteger capital, em detrimento da vida.

Anúncios

Como é bom brincar

A fonte do meu Mac estragou… agora dependo da fonte de energia alheia para usar o computador… então por esses (eternos 10 dias) que a assitência técnica vai levar para substituir a peça não consigo escrever aqui no blog… fazer o que? Costuro mais um pouco, afinal volto ao trabalho na segunda-feira. 

Aproveitando esses 22% de energia que me restam, quero compartilhar o presente maravilhoso que recebi da amiga Andreia Alvarez que me apresentou o projeto Território do brincar. O video é auto explicativo e inspirador… Me lembrou como eu adorava brincar de “roda”, de bambolê e baleado, que aqui em São Paulo se chama queimada acho eu. E você? Quer brincar de quê?

watch?v=NtX-lOAdvRM&feature=player_embedded